O melhor RPG de SNES

Review de Chrono Trigger1995
8/10 | por ResLopes ResLopes em 23/08/2005 às 19:31 | lido 2753 vezes




Este rpg, desenvolvido pela Square no final da época dominada pelo Snes (1995), é tão cheio de qualidades, tão próximo da perfeição em todos os aspectos, que fica até difícil falar ou escrever sobre ele de forma apropriada. O impacto desse rpg foi enorme entre os jogadores e se faz sentir até hoje, uma vez que todo amante desse tipo de jogo conhece Chrono Trigger e reconhece que ele é um dos melhores já feitos. Quanto à polêmica sobre sua seqüência, Chrono Cross, muitos dizem que o jogo decepciona, mas particularmente penso que "apenas" no quesito história Chrono Trigger é imbatível. Esse é Chrono Trigger: uma unanimidade, uma produção impressionante, um rpg que, por todas as qualidades que agora irei expor, é para mim o melhor do Snes.

Os Gráficos
Os gráficos de Chrono Trigger são simplesmente deslumbrantes, com personagens muito bem desenhados, assim como as armas, as roupas, as paisagens e os inimigos. E não poderia ser diferente, já que as imagens são uma criação das habilidosas e talentosas mãos de Akira Toriyama (o desenhista de Dragon Ball Z). O cabelo espetado do Crono, o aspecto estranho do Glenn, o ar sombrio e misterioso do Magus, tudo isso é possível em grande parte pelas imagens.

Outros exemplos que atestam a qualidade gráfica de Chrono Trigger são o sombrio castelo do Magus e a figura sinistra e malévola de Lavos (em todas as suas formas). Os cenários, além de bem desenhados, não são repetitivos: cavernas, florestas, desertos, ambientes às vezes futuristas e às vezes pré-históricos. A magias estão, igualmente, de primeira, com efeitos melhores até que alguns jogos do Play 1 (não um FFIX da vida, claro). E tudo isso faz dos gráficos um dos pontos fortes do jogo, aumentado muito a sua diversão.

Os Sons
As músicas de Chrono Trigger são ótimas, muito agradáveis mesmo. Elas conseguem acompanhar o clima do jogo, sendo, por exemplo, tristes ou alegres, dependendo da situação. Perceba que existe uma relação entre cada um dos aspectos do jogo: como eu disse, são vários ambientes em Chrono Trigger, e cada um tem uma música característica. Além disso, a música da batalha está boa, e as músicas-tema dos personagens estão ótimas, ajudando até na construção da personalidade de cada um.

As duas músicas-tema que mais me agradam são a do Magus, com um ar de suspense condizente com o próprio personagem, e a do Glenn, que está perfeita para o cavaleiro. Há também uma boa variedade de músicas e efeitos sonoros, como espadas se chocando ou sons emitidos pelos inimigos (mas não há vozes), o que impede que o jogo fique repetitivo e conseqüentemente sem graça.

O Sistema de Batalha
Chrono Trigger tem um sistema de batalha dinâmico e complexo: do jeito que eu gosto. Dinâmico devido às suas numerosas animações, seja num golpe de espada, num tiro ou numa magia. Isso se deve certamente ao fato de que os fãs sentiram falta de um pouco de ação nos rpg's mais tradicionais (não rpg/ação, como Zelda), e Chrono Trigger foi um dos primeiros a fazerem isso (inclusive o RPG Maker mais recente também traz essa possibilidade). É dinâmico, ainda, por ter muitos chefes, ao invés daquele número enooorme e irritante de batalhas aleatórias comum, por exemplo, nos primeiros Final Fantasy. E os chefes, além de serem numerosos, exigem um certo conhecimento por parte do jogador, porque cada chefe costuma ter um ponto fraco que é a única forma de derrotá-lo.

O grande número de golpes simples, duplos e triplos é outro ponto forte, deixando sempre a expectativa de ver qual é o próximo golpe, sua força e a animação (alguns são bem legais e devastadores!). Assim, Chrono Trigger acaba tendo o melhor sistema de batalha do Snes nesse estilo clássico, por ser dinâmico e variado. Pequeno comentário: só para exemplificar a complexidade dos chefes, devo mencionar meu sobrinho, de 8 anos, que está adentrando agora o maravilhoso mundo dos rpg's e está passando maus bocados para despachar dessa pra melhor os chefes do jogo. Pobre José Luiz!

A História
Chrono Trigger tem uma história complexa e bem desenvolvida, com uma seqüência original e inacreditável de acontecimentos. Basicamente, é a história de sete personagens que por situações variadas se encontram e lutam pelo bem do planeta. Eu sei, eu sei, essa história de defender o mundo que se vê ameaçado por vilões sem caráter é mais velha que Adão e Eva, mas a grande questão, o que faz a história se interessante ou chata, inovadora ou comum, é exatamente a seqüência de acontecimentos e o modo como eles são contados. E acredite: nisso Chrono Trigger é impecável!

A história começa no ano 1000, quando o jovem Crono vai à Festa do Milênio e lá encontra por coincidência Marle, que á a princesa, mas está disfarçada. Então encontram Lucca, amiga de Crono, uma cientista que vive fazendo inventos, e dessa vez apareceu com algo inusitado: um teletransportador. À procura de cobaias (digo, de voluntários), Lucca encontra Marle, que se oferece (no bom sentido!). E é a partir daí que a história começa a ficar boa, porque o pendante da Marle reage de maneira estranha com a máquina da Lucca, e a Marle, ao invés de fazer uma viagem no espaço, faz uma viagem no tempo! Crono e Lucca vão salvar Marle, e os três, agora juntos, descobrem que por trás da viagem no tempo estão acontecimentos sinistros e apocalípticos, e que a origem de tais acontecimentos é um ser alienígena que suga de forma parasitária a energia da Terra.

É muito interessante que Chrono Trigger mistura realidade e ficção de forma genial, porque alguns acontecimentos da História da Humanidade têm uma explicação própria dentro do jogo. Assim, o meteoro que causou a extinção dos dinossauros na verdade foi Lavos, o tal alienígena parasita, que chegava à Terra. Além disso, o Apocalipse de que fala o Cristianismo é causado também por Lavos, que em 1999 promove uma grande devastação na superfície do planeta. E assim vemos a relação entre realidade e ficção de que falei.

Os personagens de Chrono Trigger são muito carismáticos. Lucca é uma cientista maluca (ih, rimou!), com a diferença de que ela não é do mal, como acontece com a figura imortalizada no cinema e nos cartoons (já viram o cientista maluco que perturba o Pernalonga?). Marle é a princesa, e entra em conflito com seu pai porque ela acha que é uma pessoa antes de ser uma princesa. Uma pessoa com sentimentos, e não uma figura de papel. Ayla é uma mulher das cavernas, e é a mais engraçada dos sete personagens, com seu jeito único de expressar o que pensa (Crono forte. Mim gosta Crono!). Robô, como o nome indica, é um robô (dâââ!). E ele tem um ?defeito?: é capaz de sentir. Ele se afeiçoa com os outros seis, e até tem um affair com uma ?roboa? (trocadilho interessante...).

Glenn é um cavaleiro que foi transformado em homem-sapo por outro personagem, Magus (a história é longa...). Glenn, ribbit!, é muito poderoso, ribbit!, mas a Marle e a Lucca demoram um pouco pra se acostumar com sua aparência, ribbit!. Crono é o personagem principal, e seu nome tem um forte valor simbólico. Cronus é o Deus do Tempo na Mitologia Grega, então ?Chrono Trigger? é ?gatilho do tempo?, referindo-se às viagens temporais que ocorrem no jogo. Mas eu gosto mesmo do Magus, que pra mim tem a personalidade mais profunda e contraditória de todos. A exemplo do Wolverine, dos X-Men, Magus não é vilão, mas também não é totalmente herói. Além disso, aquele jeito sombrio e até necrófilo, tipo personagem de Edgar Allan Poe, é bem legal, principalmente usando uma foice como arma!

Tem mais um aspecto interessante no jogo, que só percebi recentemente. Se prestarmos atenção na história, veremos que Chrono Trigger aborda a questão da luta de classes. É isso mesmo que eu disse: luta de classes. Assim como existe na sociedade um contínuo conflito de interesses em nome do poder (é só ler jornal de vez em quando...), perceba que, dentro da trama do jogo, na pré-história humanos e répteis (os Reptite, se bem me lembro) lutam pela soberania do planeta. Da mesma forma, no futuro: dessa vez são os robôs que fazem frente aos humanos, que só conquistam a vitória devido a nossa intervenção. Isso tudo me leva a duas conclusões. Primeiro que os bons rpg's ? como Chrono Trigger, Zelda etc. ? não são apenas ?joguinhos bobos?, como insistem alguns preconceituosos, e sim FORMAS INTELIGENTES DE LAZER. Segundo que é sempre bom manter diálogo com pessoas de meios diversos, porque foi um amigo meu, aluno de História, quem chamou minha atenção para esse aspecto do jogo (olá, Renato!).

Por fim, os finais (desculpe o pleonasmo). Enquanto tem certos rpg's que eu rezo pra acabarem logo (como Final Fantasy III, do Nes), com Chrono Trigger foi o contrário: logo que zerei, quis detonar de novo. Isso porque o sistema New Game + permite que vejamos mais de 10 finais diferentes! Eu diria, tomando para mim as palavras do Aragorn (leiam o maravilhoso texto dele sobre o dueto Oracle para GBC) que em Chrono Trigger existe vida após o The End. E nesse aspecto o jogo foi muito feliz, porque é comum a gente passar horas jogando um rpg pra ter como recompensa um final único e sem graça (já jogaram FFV?).

Comentário Final
Dizer o quê? Chrono Trigger é o melhor rpg do Snes e ponto final!


Comente pelo site...

Aguarde 20 segundos para poder publicar novamente.

Efetue o login para publicar um comentário.

cancelar ver prévia

...ou pelo Facebook

comentários

Chrono Trigger
Chrono Trigger1995
SNES
RPG
Desenvolvido por: Squaresoft
Publicado por: Squaresoft
Considerado por muitos como o melhor RPG de Super Nintendo, Chrono Trigger conquistou seu espaço com uma incrível aventura através do tempo, um ótimo sistema de batalha e uma trilha sonora espetacular.

+ ReviewsChrono Trigger (SNES)

MegaMan
Esse jogo é um dos melhores RPGs...
por MegaMan | Nota: 10/10 | Out 2005


 Home | Blog | Classificados | Reviews | Game Log | Contato | RSS | Sobre | Política de Privacidade | Termos de Uso
GAMEINFO v.3.0 © 2005-2017 - Todos os direitos reservados. Todas as marcas, logotipos, games e nomes comerciais pertencem aos seus respectivos proprietários.