Prince of Persia: The Two Thrones

Prince of Persia: The Two Thrones2005

PC Aventura

Desenvolvido por: Ubi Soft Entertainment | Publicado por: Ubi Soft Entertainment


9.2
Sua nota: -/10
Nota: 9.2/10 com 23 voto(s) | Reviews: 1 usuário(s)

Favorito Quero

Galeria (30) ver todas enviar imagens


Reviews (1) publicar um novo review

Um final digno para a trilogia...

MegaMan MegaMan 9/10 | 31/01/2006 às 20:01 | lido 2077 vezes

Depois de passar alguns anos aposentada, a série Prince of Persia retornou em uma colaboração do criador original, Jordan Mechner, com os estúdios canadenses da Ubisoft. Sands of Time se tornou um clássico instantâneo com sua trama cativante, desafio de primeira e uma verdadeira atualização tridimensional de tudo que originalmente deu sucesso à série. Mas o game vendeu pouco, e a continuação foi pervertida em uma tentativa de capitalizar o poder de marketing, o pobre príncipe virou um jovem torturado com boca suja e extremamente amargo... e o game recebeu maior ênfase em combate, de longe sua característica mais fraca. Agora a trilogia chega ao fim com Two Thrones, que se esforça para resgatar os elementos de Sands of Time.

A nova aventura começa no ponto onde terminou Warrior Within, imaginando que você tenha alcançado o final bom (o que pode deixar muita gente coçando a cabeça). O protagonista e Kaileena retornam à Babilônia, apenas para encontrá-la em guerra – um velho conhecido do herói está de volta e inicia uma guerra que pode acabar com o reino... e talvez o mundo. Em pouco tempo, ele acaba infectado pelas areais do tempo e descobre seu lado negro, que se manifesta como uma versão negra, mais violenta e bem armada de si mesmo.

Sem estragar muito a história, o game se apóia de maneira quase exagerada nos elementos que tanto agradaram aos fãs de Sands of Time, desta vez com Kaileena narrando a história. Mas o príncipe não deixa de narrar suas aventuras, normalmente em diálogos internos entre seu lado bondoso e a nova identidade mesquinha. Ambos encontrarão velhos aliados durante as cerca de 10 horas de aventura, garantindo um merecido desfecho para a trilogiae tirando um pouco do gosto ruim que Warrior Within deixou para quem curtiu o primeiro game.

A missão do príncipe é simples: ele deve percorrer a capital da Babilônia, lutando contra tudo e todos até chegar ao seu inimigo. A linearidade mantém o ritmo da aventura sempre rápido, misturando doses generosas de saltos acrobáticos e inimigos a serem derrotados, além de alguns quebra-cabeças criativos. A qualidade desses mapas não decepciona, mas é uma pena que as câmeras pré-definidas entregam o caminho, muito mais do que as antigas passadas voando por cada nova sala do original.

Enquanto muita gente reclamou do exagero na quantidade de combates no segundo game, os produtores deram um jeito de agradar persas e indianos com o novo sistema de morte instantânea se o herói conseguir pegar um inimigo pelas costas sem ser visto, ele aciona um mini-game e deve apertar um botão nos momentos certos para derrotá-lo sem precisar usar a luta convencional. Essa solução permite que os jogadores mais habilidosos evitem grande parte dos combates e ainda ganhem um passatempo extra para descansar entre mais acrobacias entre plataformas. Não apenas isso, mas a adição de chefes elaborados e criativos exigirá saltos precisos e raciocínio rápido para descobrir seus pontos fracose não só o bom domínio das armas.

Mas isso não é tudo: em certos momentos pré-determinados, o herói também será possuído pelo seu lado negro, e ganha uma nova arma: uma corrente laminada que lembra bastante os implementos de guerra de Kratos, o protagonista de God of War. Como o Wraith de Warrior Within, o Príncipe Negro está sempre perdendo energia com o passar do tempo, e recuperando-a ao matar inimigos. A idéia poderia ter melhorado ainda mais o game se esse "personagem extra" jogasse como o mencionado Kratos ou um Dante de Devil May Cry, mas ao invés de parecer muito mais poderoso, ele simplesmente ganha alguns golpes e movimentos extras, muitos dos quais são desnecessariamente difíceis de executar ou pouco úteis. E assim você acaba voltando a ser obrigado a lidar com as lutas que as Mortes Instantâneas tanto ajudar a diminuir.

No meio de tudo isso, o jogo acabou tirando boa parte da ênfase colocada nos poderes de manipulação temporal da adaga e das areias do tempo. Isso não chega a prejudicar a fórmula, mas é triste ver um elemento tão interessante perder seu destaque. O game ainda adiciona alguns extras, como segredos escondidos capazes de liberar galerias extras no menu principal e novas fases de corrida de biga, que apesar de bem simples, são bastante divertidas. E como não poderia faltar, salas secretas escondem artefatos capazes de aumentar a energia e os tanques de areia do protagonista, dando mais uma razão para vasculhar o game depois de vencê-lo.

Visualmente, o game é bastante parecido com os dois anteriores, mas ganhou uma série de novos efeitos de luz e fumaça, que ajudam a ressaltar a destruição da cidade em que se ambienta a aventura. E quem não curtiu o rock de Warrior Within vai comemorar o retorno dos temas árabes do primeiro game. O controle do game não trará grandes novidades para ninguém que jogou os outros dois – mas fica um aviso para usuários de PC: o teclado realmente atrapalha algumas das seqüências mais complicadas de saltos misturados com ataques, e por isso mesmo a Ubisoft recomenda o uso de um bom controle analógico. Mas faltou um aviso: para usar o controle com fio do Xbox 360, é preciso atualizar a versão de DirectX pela que está no disco do game (que continua com o mesmo nome DirectX 9.0c, mas traz alguns extras importantes para reconhecer o controle).

Two Thrones é um final à altura do nome Prince of Persia. O game pode não ser o clássico instantâneo que foi Sands of Time, mas mostra que seus criadores estão cientes de seus erros em Warrior Within.

Review: Game TV

Dicas, Guias e Códigos (1) publicar uma nova dica

Prince of Persia: The Two Thrones codigos secretos

syorankun syorankun 07/11/2007 às 13:18 | código secreto

Abaixo dicas para ajudar o seu desempenho no game.

Armas
Aperte pause durante o jogo e faça estes códigos:
Moto-serra: CCBBEDEDOQOQ
Martelinho: EEDDOQQOCB
Telefone: DEDEBBCCOQOOQQ
Arma Swordfish : CBCBEDEDOQOQ

C = cima
B = baixo
E = esquerda
D = direita
O = bola
Q = quadrado

Estas armas são descartáveis como as outras.



Armas indestrutíveis
As espadas das mulheres guerreiras são indestrutíveis. As dos homens invisíveis também são indestrutíveis, mas são menos potentes.



Arma que regenera os depósitos de areia
Em cada porta de areia (daquelas que projeta um foco luminoso amarelo para o céu) tem um soldado protetor vermelho. A espada dele tem o poder de regenerar seus depósitos de areia. Mas esta espada se consome facilmente quando utilizada em luta. Portanto, primeiro mate todos os soldados, depois pegue a espada do protetor. Não se preocupe em como identificar a espada, pois é a única que tem formato diferente (com a ponta arredondada).



Código dos 3 mecanismos que conduzem Farah (a mulher)
1º mecanismo
2º mecanismo
3º mecanismo
3º mecanismo
3º mecanismo
1º mecanismo



Código da máquina que move a estátua gigante
D = direita
E = esquerda
H = sentido horário
A = sentido anti-horário

DHHDDHEHDHDAD



Código dos 3 mecanismos que se elevam em plataformas
Tem o do Meio, o da Direita e o da Esquerda. Esta é a ordem: M, D, E, D, M, E.

Comente algo sobre este game

Aguarde 20 segundos para poder publicar novamente.

Efetue o login para publicar um comentário.

cancelar ver prévia

ou pelo Facebook

Game StatsPrince of Persia: The Two Thrones (PC)

73139 Visualizações
1 Review(s)
1 Dica(s) e Guia(s)
30 Foto(s)
0 Vídeo(s)
0 Música(s)
1 Favorito(s)
23 Voto(s)
0 Possuem
0 Vendendo
0 Trocando
0 Interessado(s)
Cadastrado por MegaMan

Encontre-nos no FacebokCurta nossa Fan Page


 Home | Blog | Classificados | Reviews | Game Log | Contato | RSS | Sobre | Política de Privacidade | Termos de Uso
GAMEINFO v.3.0 © 2005-2017 - Todos os direitos reservados. Todas as marcas, logotipos, games e nomes comerciais pertencem aos seus respectivos proprietários.